BLOG

7 europeus consideram Guaidó como presidente da Venezuela

04/02/2019

7 europeus consideram Guaidó como presidente da Venezuela


Encerrado neste domingo o ultimato dado por países europeus para o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, admitir a organização de novas eleições presidenciais no país, sete dos 28 Estados-membros da União Europeia reconheceram, nesta segunda-feira, o opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

A Espanha foi o primeiro país a oficializar o apoio ao líder da Assembleia Nacional venezuelana, seguido por Reino Unido, Suécia, Dinamarca, França, Áustria e Alemanha.

Os europeus pressionam para que Maduro concorde com um novo pleito presidencial como saída para a crise que assola o país sul-americano.

Com os anúncios de hoje, já são 26 os governos que reconhecem Guaidó como presidente interino. Mas, diferentemente de Estados Unidos, Brasil e outros 16 Estados que já haviam reconhecido Guaidó logo depois que ele se proclamou presidente com o apoio da Assembleia Nacional, em 23 de janeiro, os europeus reforçaram que o líder opositor deve conduzir o país a novas eleições o mais rápido possível.

"Reconheço Juan Guaidó como presidente encarregado da Venezuela com um horizonte claro: a convocação de eleições livres, democráticas, com garantias e sem exclusões", anunciou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, no Twitter.

"O governo da Espanha impulsionará o Grupo de Contato Internacional criado pela UE para acompanhar a Venezuela na convocação de eleições livres e democráticas", completou ele, referindo-se ao grupo formado na última quinta-feira pelo bloco e que se reunirá pela primeira vez na quinta-feira, no Uruguai.

Em gesto simbólico, não vinculante para os governos do continente, o Parlamento europeu já havia aprovado na quinta-feira uma resolução em que reconhecia a autoridade Guaidó.

O ministro de Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Hunt, destacou que, a partir desta segunda-feira, Londres reconhecerá o líder opositor como "presidente constitucional interino" na Venezuela.

"Maduro não convocou eleições presidenciais no prazo de 8 dias que fixamos. Assim, o Reino Unido, junto a seus aliados europeus, reconhece agora Juan Guaidó como presidente constitucional interino até que se possa celebrar eleições críveis", escreveu Hunt no Twitter.

O Ministério de Relações Exteriores da Dinamarca também confirmou apoio ao opositor "até novas e livres eleições democráticas" no país sul-americano. O chanceler austríaco, o conservador Sebastian Kurz, ressaltou que Guaidó "conta com o pleno apoio" do país para restabelecer a democracia na Venezuela, que, segundo ele, "sofre há tempos demais com a má gestão socialista e a ausência de Estado de direito".

O porta-voz do governo alemão anunciou apoio a Guaidó. A chanceler alemã, Angela Merkel, está em viagem ao Japão, que emitiu nota de apelo por solução "estável e democrática" na Venezuela.

"Para nós, Guaidó está em sintonia com a constituição do presidente de transição da Venezuela para organizar eleições presidenciais livres, justas e democráticas. Nossa preocupação continua sendo para o povo da Venezuela que sofre com a dramática situação. A Alemanha fornecerá cinco milhões de euros em ajuda humanitária à Venezuela assim que o ambiente político permitir", escreveu o ministro das Relações Exteriores de Berlim, Heiko Maas, no Twitter.

O chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, destacou nesta segunda-feira que a França consultaria outros países europeus sobre o reconhecimento de Guaidó como presidente interino da Venezuela, mas logo destacou que o líder opositor tinha "capacidade e legitimidade" para organizar um novo pleito na Venezuela.

Na sequência, o presidente francês, Emmanuel Macron, oficializou o apoio a Guaidó no Twitter.

"Os venezuelanos têm direito de se expressar livremente e democraticamente. A França reconhece Juan Guaidó como 'presidente encarregado' para implementar um processo eleitoral. Apoiamos o grupo de contato, criado com a União Europeia, neste período de transição", escreveu Macron no Twitter.

No domingo, dia em que se encerrou o prazo do ultimato europeu, a União Europeia anunciou que será coanfitriã , ao lado do Uruguai, de uma reunião do grupo de contato criado na última quinta-feira pelo bloco para buscar resolver a crise da Venezuela por meio de eleições livres.

Estarão presentes ainda chanceleres da Bolívia, da Costa Rica e do Equador na reunião desta quinta-feira, 7 de fevereiro, em Montevidéu. O anúncio da reunião expôs a divergência de tom do bloco em relação à abordagem dos Estados Unidos, que rejeita qualquer negociação com Maduro. Neste domingo, o presidente americano, Donald Trump, reconheceu que uma intervenção militar "é uma opção" para a crise.

Crítica rússa. Além da Espanha, Reino Unido e França, Alemanha, Portugal e Holanda haviam exigido que Maduro aceitasse novas eleições presidenciais até o domingo — caso contrário reconheceriam a autoridade do opositor.

A Áustria se uniu ao grupo neste domingo. Em entrevista à rede espanhola La Sexta, o líder bolivariano rechaçou o ultimato europeu e prometeu "não dar o braço a torcer por covardia".

“Por que a União Europeia tem que dizer a um país do mundo, que já fez eleições, que tem que repetir suas eleições presidenciais porque não ganharam seus aliados de direita? — questionou Maduro, entrevistado em Caracas pelo jornalista Jordi Évole.

Maduro tomou posse em 10 de fevereiro para um segundo mandato presidencial, após ser reeleito em eleições marcadas por denúncias de fraude, boicote da oposição e abstenção de 54%. Mais de 40 países, incluindo a União Europeia em bloco, questionaram a legitimidade do pleito.

Não há consenso entre países da UE sobre o reconhecimento de Guaidó como chefe de Estado, já que isso criaria um precedente para outros casos semelhantes.

Embora acuse Maduro de sufocar a democracia, a União Europeia relutou diante do precedente de uma autodeclaração, e por isso demorou a seguir os Estados Unidos e a maioria das nações latino-americanas.

Diante da onda de apoio na Europa a Guaidó, a Rússia denunciou a "interferência" dos países do continente nos assuntos internos da Venezuela. Moscou é um dos principais aliados e credores do regime de Maduro.

“Percebemos as tentativas de legitimar a usurpação do poder como uma interferência direta e indireta nos assuntos internos da Venezuela” — declarou a jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov.

Durante a entrevista à La Sexta, Maduro enviou uma mensagem a Guaidó.

“Que abandone a estratégia golpista. Se quer conseguir algo, sente-se em uma mesa de negociação cara a cara” — desafiou o presidente.

Guaidó, de 35 anos, já apontou que não se engajará em diálogos "falsos" que deem oxigênio ao governo e o permitam ganhar tempo. O líder opositor diz que os venezuelanos continuarão nas ruas "até que cesse a usurpação" de poder de Maduro. No sábado, ele convocou uma nova manifestação para o dia 12 de fevereiro, terça-feira da próxima semana. (de O Globo)





Cursos