BLOG

Dívida Pública Federal fecha 2018 em R$ 3,877 trilhões

29/01/2019

Dívida Pública Federal fecha 2018 em R$ 3,877 trilhões


A Dívida Pública Federal (DPF) subiu 1,32% em termos nominais na passagem de novembro para dezembro, somando R$ 3,877 trilhões. O número ficou dentro das metas estabelecidas no Plano Anual de Financiamento (PAF), que determinavam uma oscilação entre R$ 3,78 trilhões e R$ 3,98 trilhões.

De acordo com números divulgados hoje pelo Tesouro Nacional, a Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) registrou uma alta de 1,33%, para R$ 3,728 trilhões em dezembro. Já a Dívida Federal Externa somou R$ 148,2 bilhões (US$ 38,25 bilhões), o que representa uma alta de 0,84% na comparação com os números de novembro.

No mês passado, as emissões da DPF corresponderam a R$ 32,01 bilhões, enquanto os resgates somaram R$ 3,83 bilhões, o que resultou em emissão líquida de R$ 28,18 bilhões. Desse total líquido, R$ 28,21 bilhões referem-se à emissão líquida da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) e R$ 30 milhões de resgate de Dívida Pública Federal Externa.

O percentual vincendo da dívida em 12 meses ficou em 16,32%, contra 16,37% em novembro. O prazo médio da dívida fechou dezembro em 4,11 anos, ante 4,19 anos em novembro.

A participação de investidores estrangeiros na dívida pública mobiliária federal interna (DPMFi) caiu em termos percentuais de 11,74% em novembro para 11,22% em dezembro. Em valor absoluto, a fatia saiu de R$ 432,16 bilhões para R$ 418,41 bilhões.

Os fundos de investimento têm participação de 26,91% (ante 26,28% em novembro). As instituições de previdência fecharam dezembro com 24,96% (contra 24,7% no mês anterior).

As instituições financeiras encerraram o mês respondendo por 22,74% da DPMFi (frente 23,08% um mês antes). O governo responde por 4,24% (ante 4,11% em novembro). Já as seguradoras ficaram com 4,11% em dezembro (após 4,27% em novembro).

A participação dos papéis pós-fixados na Dívida Pública Federal saiu de 35,4% em novembro para 35,51% em dezembro. Já os títulos prefixados representaram 33,03% da DPF (de 32,86% em novembro). Os papéis ligados a índices de preços representaram 27,46% do total (27,72% em novembro). Já aqueles ligados a câmbio ficaram em 4% (4,02% em novembro). (do Valor Econômico)





Cursos