BLOG

Empresas esperam excluir aço semiacabado de tarifa dos EUA

12/03/2018

Empresas esperam excluir aço semiacabado de tarifa dos EUA


Várias companhias siderúrgicas nos Estados Unidos e na Europa têm expectativa de que Washington e Bruxelas poderão excluir da sobretaxa de 25% as importações de aço semiacabado -- algo que reduziria bastante o impacto da restrição sobre o Brasil.

O Valor Econômico apurou que siderúrgicas da Califórnia estão entre as que mais insistem com o Departamento de Comércio dos EUA devido à sua dependência em relação à importação de aço semiacabado. Algumas só processam o produto importado e alegam que, sem isso, haverá perda de produção e desemprego, ao contrário do objetivo propagado pela Casa Branca.

Segundo fonte do setor, na Europa o sentimento é de que a salvaguarda que a Comissão Europeia pretende adotar para proteger seu mercado do aço que não poderá entrar nos EUA, deve ter isenções, porque várias siderúrgicas do continente também necessitam do aço semiacabado importado.

Se até o dia 31 deste mês o governo de Donald Trump confirmar a isenção para esse tipo de aço, a Europa seguirá a mesma decisão, na avaliação na área industrial.

O Brasil tem defendido junto ao governo de Trump justamente a complementaridade no setor de aço, argumentando que o país fornece cerca de 50% de semiacabados de ferro e aço importados pelos EUA, utilizados como insumos pela indústria americana, segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Por outro lado, o Brasil é grande importador de carvão mineral, utilizado em altos-fornos siderúrgicos.

O Brasil é um exportador significativo de aço intermediário também para a Europa. Em 2017, o país exportou 2,779 milhões de toneladas de aço para os 28 países da UE, dos quais 62% de semiacabados, segundo dados do Mdic. A região responde por 18,1% das exportações totais de aço brasileiro.

O diretor-geral da Associação Europeia de Aço (Eurofer), Axel Eggert, disse, em entrevista ao Valor, que trabalha em duas frentes. Na primeira, espera que produtos siderúrgicos europeus sejam isentos da tarifa americana, alegando que o argumento de segurança nacional de Trump é um absurdo.

Na segunda, defende aplicação o mais rápido possível de salvaguardas europeias para proteger o mercado europeu -- para se precaver de um aumento súbito de importações. Mas, por causa dos procedimentos de consultas no bloco, acha que isso não ocorrerá nas próximas duas semanas.

"Precisamos de salvaguarda porque, sem isso, teremos um impacto catastrófico de aço desviado para a Europa", afirmou Eggert. "Já somos um enorme importador, com 4 milhões de toneladas no ano passado".

Já para o diretor do IFO (Centro para Economia Internacional), de Munique, Gabriel Ferbermayer, as tarifas punitivas dos EUA sobre aço e alumínio violam as regras da OMC, mas a União Europeia não deve reagir com idêntico aumento de alíquotas sobre o aço de terceiros países para proteger a indústria europeia dos efeitos de desvio de comércio.

"Em vez (de salvaguarda), a UE e o governo alemão precisam assegurar que todos os outros membros da OMC respeitem conjuntamente as regras da entidade para limitar o conflito entre as políticas comerciais". (do Valor Econômico)





Cursos